Terça-feira, 24 de Novembro de 2009

Surto de gastroenterite afecta centenas em Anadia

Origem do problema pode estar na água da rede pública

Mais de uma centena de crianças de vários estabelecimentos de ensino do concelho de Anadia, assim como adultos, foram atingidos, entre quinta e sexta-feira, por um surto de gastroenterite, que levou a uma afluência fora do normal da Consulta Aberta (CA) do Centro de Saúde de Anadia. Os sintomas de vómitos e diarreias foram comuns, chegando a desconfiar-se que a água da rede pública poderia estar na origem deste problema.

E a dúvida ainda não está dissipada, pelo menos até chegarem os resultados conclusivos das análises à água que foram pedidos ao Instituto Ricardo Jorge (IRJ), pela Câmara Municipal, devendo chegar entre hoje, quarta-feira ou amanhã. Para já, a CA retomou a normalidade.

 

Colégio de Mogofores dá alarme

O alarme foi dado pelo Colégio Salesiano de São João Bosco, em Mogofores, na manhã de quinta-feira, dia 19, quando os docentes chegaram e se aperceberam da ausência de um número significativo de alunos.

Dário Tavares, director do Colégio de Mogofores, diz ter ficado a saber, por via da delegada de saúde, que o problema podia estar relacionado com a água da rede pública. “Também constatámos que não era um problema exclusivo da nossa escola, mas sim de muitas outras”, adiantou o responsável.

O sucedido motivou a Câmara Municipal de Anadia, em parceria com a Administração Regional de Saúde do Centro (ARSC), através do Centro de Saúde de Anadia, a emitir um comunicado ainda na quinta-feira, dia considerado mais crítico em termos de ocorrências registadas na CA. Litério Marques, presidente da Câmara Municipal de Anadia, lembrou que ambas as entidades estariam a “envidar todos os esforços no sentido de controlar o surto e identificar a sua causa”. No comunicado podia ler-se que o surto, pelas características, era “típico de uma gastroenterite aguda de origem viral característica deste período do ano”.

Litério Marques recusou desde o início qualquer ligação entre a água da rede pública e o surto, alegando que as últimas análises, que tinham sido realizadas no dia 17, atestavam a “boa qualidade da água”.

No entanto, a autarquia decidiu reforçar as medidas de desinfecção da água e solicitou ao IRJ a realização de novas análises para avaliar a qualidade da água para consumo público.

 

Retomada a normalidade

Dário Tavares, contactado ontem, dia 23, pelo Quiosque das Letras, diz que no Colégio de Mogofores “continuamos sem dar água às crianças”, apesar de agora ter “tudo voltado à normalidade. Mas continuamos com dúvidas sobre a água e se podemos bebê-la ou não”.

Litério Marques também fala em “normalização da situação”, dizendo estar convencido de que está tudo bem com a água e aguardando os resultados do IRJ. Também a ARSC afirmou que a CA retomou a sua normalidade nos últimos dias.

 

 

publicado por quiosquedasletras às 09:52

link do post | comentar | favorito

Pesquisar

 

Receba o Quiosque

Insira o seu endereço de e-mail:

Março 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Últimas Letras

Aeróbica reuniu cerca de ...

Câmara Municipal de Aveir...

Seminário Internacional “...

Luís Fernandes, da d’Orfe...

Voluntários ajudam a limp...

Recortes de jornais desde...

Rota da Lampreia e da Vit...

Câmara Municipal de Anadi...

Candidaturas ao Fundo Soc...

Reunião aberta para a ini...

Letras na gaveta

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Letras

todas as tags

Rostos SAPO Local

Banca de Notícias

Contacto

quiosquedasletras@sapo.pt
blogs SAPO

subscrever feeds